Em busca de identidade

IdentidadeMúsica e Dança da ESGN nas Escolíadas 2015
(o vídeo abre num novo separador, no Sapo)

A vida é um baile confuso
E, às vezes, p’ra meu desgosto,
De entre as máscaras que uso
Nem reconheço o meu rosto…

São tantas as personagens
Que tento representar
Que já troco as mensagens
Os passos que devo dar…

Em busca de identidade.

 

Aqui estou de corpo inteiro
Mas de mente dividida
Mais peças no tabuleiro
Já não cabem numa vida

 

Todas são realidade
Que vivo em plenitude
Partes de uma identidade
Que busco com inquietude.

Depois de vários anos bastante envolvido, este ano a minha participação nas Escolíadas limitou-se à escrita da letra para a canção que levámos na prova de música, com música da Prof. Margarida Alves e tão bem interpretada por um grupo de alunos e professores.

Nem sequer pude assistir ao vivo à participação da escola, pois estava a caminho de Santiago de Compostela, aproveitando o fim de semana prolongado, numa iniciativa marcada há muito. Ainda bem que há este vídeo…

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

  Nós somos do mundo  Dias mais risonhos  Um pouco mais  Serenata  moliceiro 2

ou ir para o início.

Anúncios

Nós somos do mundo

Dedico este texto aos que se encheram de coragem e deixaram o país à procura de melhor vida. Emigrantes, de diferentes gerações, que enfrentaram dificuldades e as venceram. Um tema que, infelizmente, está atual, porque “hoje, de novo, resta-nos partir e ir pelo mundo à conquista do que cá dentro nos negam”.

https://infantilidades.files.wordpress.com/2015/01/43726-10614251_814981161855327_6063663117551737544_n.jpg?w=468

Nós somos do mundo

Assim somos nós
Este povo que foi grande demais
Para ficar preso nestas fronteiras
E se aventurou pelo mar tão profundo.
Nós somos do mundo!

Assim somos nós
Ilusão e uma mala de cartão
Este povo que cruzou as fronteiras
E se aventurou por tantos países…
Deixámos raízes.

E hoje de novo
Resta-nos partir
E ir pelo mundo à conquista
Do que cá dentro nos negam.
A sorte há de sorrir…
Se formos audazes.

Fugindo às crises por outras paragens,
Com este chão e este mar na memória,
Faremos História.

E hoje de novo
Nosso fado é partir
E ir pelo mundo à conquista
Do que cá dentro nos negam.
A sorte há de sorrir…
Nós somos do mundo!

João Alberto Roque

Este texto foi escrito, já há uns anos, para encaixar na música de “Senhora do Mar”, com que Vânia Fernandes representara o nosso país no Festival da Eurovisão.

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

Dias mais risonhos  Um pouco mais  Diz sim à vida    Serenata  moliceiro 2

ou ir para o início.