Apeteces-me tanto

AVL

Participei, em fevereiro, no concurso organizado pela Academia Volta-redondense de Letras, Rio de Janeiro, Brasil. O júri do concurso tinha que escolher 15 entre centenas de participantes em cada categoria. Recebi a comunicação de que tinha sido um dos autores premiados na categoria de conto.

“A Comissão Organizadora do PMJML 2017 tem o prazer de divulgar os 15 (quinze) autores premiados da Categoria Conto, após intenso trabalho da Comissão Avaliadora da categoria. A diversidade da origem dos participantes na Categoria Poesia foi também observada na Categoria Conto. A antologia contará com contistas de 4 das 5 regiões do país e três autores de Portugal, pais de origem de nossa homenageada, a poetisa Maria José Maldonado.

Autores Premiados do PMJML 2017 (Conto) 

Adnelson Borges de Campos – São Mateus do Sul – PR
Célia Chamiça – Odivelas – Portugal
Coracy Teixeira Bessa – Salvador – BA
Daniele Garcia Pires – São Paulo – SP
Francisco Ferreira – Conceição do Mato Dentro – MG
Gabriel Costa Abreu Dantas – Fortaleza – CE
Genisson Angelo Guimarães – São Paulo – SP
Gustavo Fontes Rodrigues – São Paulo – SP
João Alberto Roque – Gafanha da Nazaré – Portugal
João Paulo Lopes de Meira Hergesel – Alumínio – SP
João Pablo Trabico de Oliveira – Salvador – BA
Luciana Fátima da Silva – São Paulo – SP
Luísa Maria Ferreira Pinto de Lima – Santa Maria da Feira – Portugal
Sandra Maria Godinho Gonçalves – Manaus – AM
Vitor Luiz Bento Leite – Rio de Janeiro – RJ”

O conto que enviei, com o título “Apeteces-me tanto” será então publicado numa coletânea do concurso. Trata-se de uma história em que o protagonista é uma criança e foi escrito em Outubro de 2015.

É sempre um estímulo receber estas distinções e divulgar os meus textos. Quando ocorrer a publicação darei aqui notícia e divulgarei o texto.

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

O riocorria calmo Uma história… a feijões ou um fundo de verdade num inverosímil conto de fadas lugares-e-palavras-de-natal-2 MV Egas Moniz mar2

ou ir para o início.

Anúncios

No dia Mundial da Criança

No dia Mundial da Criança resolvi voltar à matriz inicial deste blogue e colocar um texto escrito há muitos anos, enquanto a minha filha mais nova brincava num parque infantil, numa zona muito movimentada da cidade. Ainda bem que não tinha uma máquina fotográfica e tive que tirar a “fotografia” num poema.

Instante feliz

Nos teus olhos, minha filha
Nos teus olhos, brilha
Uma felicidade genuína
Que só se tem quando se é
Assim, como tu, pequenina.

Outros meninos e meninas,
Crianças também pequeninas,
Alheios a tudo, brincam.
Dos adultos que passam
Muitos nem sequer olham.

Estando ali atento, vigilante,
Reparei a certo instante
Em algo belo, enternecedor:
Um casal jovem que passava
Parou, a olhar-vos com amor.

Naquele olhar tão puro,
Quantos projetos de futuro.
Pensei eu, que assisti.
Tanta felicidade cativa
E, simplesmente, sorri.

A foto não é aquilo que procurava, até porque as crianças na situação presenciada eram bastante mais pequenas, mas é a possível… e é interessante.

criancas num parque infantil

Imagem colhida em http://www.ebc.com.br/infantil/para-pais/2013/01/dicas-de-atividades-para-fazer-em-casa-com-as-criancas

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

brincar-na-natureza2    A Primavera  O riocorria calmo  Pássaro da cabeça  

ou ir para o início.

Mãe

Dedicado a todas as mulheres que merecem o nome enorme de “Mãe”

Mãe

Já corre com os ponteiros

Ainda é madrugada

Em labuta diligente

É a única acordada

Naquela casa dormindo

Com tanto para fazer

Antes de ir para o emprego

O tempo tem que render

Acorda filhos… marido

Com o sono ainda tonto

Deixa os pequenos entregues

E chega antes do ponto

Dá um pulinho a casa

Quando é hora de almoçar

Come sozinha à pressa

antes do filho chegar

Deixou-lhe tudo já pronto

Preparou-lhe a refeição

E vai olhando o relógio

Não quer ouvir do patrão

Chega a casa cansada

Traz pela mão a miúda

Tem que lembrar os trabalhos

E ver se ela estuda

O recado da escola

Deixou-a preocupada

Diz que a filha precisa

De ser mais acompanhada

E o mais novo faz birra

Como a pedir atenção

Acaba fazendo uns riscos

No caderno do irmão

Tem mesmo que intervir

Para o ambiente serenar

Acaba com a discussão

E vai fazendo o jantar

Entre gestos maquinais

Vai espreitando a novela

Queria ser como a atriz

Sonha com a vida dela

Tratou do banho dos filhos

E o jantar está servido

Já está tudo mais calmo

Quando chega o marido

Finalmente conseguiu

Enfiar todos na cama

O pequeno pede a história

E que lhe vista o pijama

Senta-se um breve momento

Embevecida a olhar

Eles dormem e há paz

Vale a pena apreciar

Pensou na louça e fez

O encanto desaparecer

Está na hora de dormir

E o que ainda tem para fazer.

João Alberto Roque

Esta é uma história em verso (não propriamente um poema) que escrevi há mais de uma dúzia de anos (estava na “gaveta” desde o dia 5 de Janeiro de 2001). Hoje lembrei-me de a colocar no blogue… podia tê-lo guardado mais uns meses e publicá-lo em Maio, a propósito do “Dia da Mãe”, mas acho que concordarão comigo se afirmar que todos os dias são Dia da Mãe.

A ilustração, que encaixa tão bem no meu texto, foi encontrada aqui, no blogue Ilustrações, desenhos e outras coisas de Ana Oliveira.

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

    Cecília e SissiMV    Receitada pelo médico 

ou ir para o início.

Prenda para o Pai (ou a Mãe)

Pai e Filho

Procurei por uma prenda
por algo belo, perfeito.
Olha, Pai, estou sem ideias…
Não achei nada de jeito!

Nada era digno de ti,
de tanto amor que me deste…
dos trabalhos que passaste…
das noites que não dormiste.

Que prenda te posso dar?
Tem de ter um tal valor
que nenhum dinheiro compra…
Aceita o meu amor!

Um abraço, um carinho
e uma pequena lembrança…
É que eu, ao pé de ti,
serei sempre uma criança!

Imagem colhida aqui.

Sem que eu percebesse porquê – afinal é porque o Dia do Pai no Brasil é no segundo Domingo de Agosto – grande parte das visitas recentes através de pesquisas na Net, procuravam por algo relacionado com o “dia do pai”. Resolvi, por isso, colocar este novo texto…

O valor material de uma prenda que qualquer um de nós der ao seu pai, ou à sua mãe, será sempre simbólico perante tanto que deles recebemos (sobretudo os bens  imateriais).


Pequenas lembranças para o pai e para a mãe, à venda no blog de uma amiga:
http://su-artesdecorativas.blogspot.com

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

CP

ou ir para o início.