Marcha da Gafanha da Nazaré – 2017 – Ovos Moles

Ovos Moles

Nasceram lá no mosteiro
de um saber paciente.
Os ovos moles são de Aveiro,
Da Ria e sua envolvente.

E o povo, hospitaleiro,
Oferta-os a toda a gente,
Encantando o forasteiro,
Até o mais exigente.

Ovos-moles, ovos-moles,
O sabor da tradição.
São a doce tentação
Desta nossa região:
Ovos-moles, ovos-moles.

Gafanha da Nazaré
em cada arco e balão
Vem lembrar pelo S. João
O doce da região…
E Aveiro aqui ao pé.

Um doce conventual
Que é feito de gemas de ovos
Iguaria especial
de que gostam tantos povos.

É um doce divinal
Que agrada a velhos e novos
E nem nos vai fazer mal…
Venham daí mais uns ovos!

Ovos-moles, ovos-moles…

Há uma história marcada
Pelo mar, seus animais
Pela Ria inspirada
Não precisa inventar mais…

Com sua hóstia moldada
em formas tradicionais
deixa a alma consolada
se a gula não pede mais.

Mais uma vez colaborei com a associação “Grupo de Dança Pestinhas” nesta iniciativa meritória que dá corpo à Marcha da Gafanha da Nazaré. A Lela (Helena Semião) escolheu o tema e eu escrevi a letra.
A primeira apresentação, na Gafanha da Nazaré, correu (ou marchou) muito bem. Parabéns a todos os envolvidos. Tudo esteve excelente, dos arcos à coreografia, dos trajes à música. E até cantaram de modo bem audível…
Nas imagens abaixo podes conhecer as letras das marchas populares que escrevi nos cinco anos anteriores.

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

Marcha 2016 Marcha 2015 Serenata moliceiro 2  À minha procura
ou ir para o início.

No dia Mundial da Criança

No dia Mundial da Criança resolvi voltar à matriz inicial deste blogue e colocar um texto escrito há muitos anos, enquanto a minha filha mais nova brincava num parque infantil, numa zona muito movimentada da cidade. Ainda bem que não tinha uma máquina fotográfica e tive que tirar a “fotografia” num poema.

Instante feliz

Nos teus olhos, minha filha
Nos teus olhos, brilha
Uma felicidade genuína
Que só se tem quando se é
Assim, como tu, pequenina.

Outros meninos e meninas,
Crianças também pequeninas,
Alheios a tudo, brincam.
Dos adultos que passam
Muitos nem sequer olham.

Estando ali atento, vigilante,
Reparei a certo instante
Em algo belo, enternecedor:
Um casal jovem que passava
Parou, a olhar-vos com amor.

Naquele olhar tão puro,
Quantos projetos de futuro.
Pensei eu, que assisti.
Tanta felicidade cativa
E, simplesmente, sorri.

A foto não é aquilo que procurava, até porque as crianças na situação presenciada eram bastante mais pequenas, mas é a possível… e é interessante.

criancas num parque infantil

Imagem colhida em http://www.ebc.com.br/infantil/para-pais/2013/01/dicas-de-atividades-para-fazer-em-casa-com-as-criancas

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

brincar-na-natureza2    A Primavera  O riocorria calmo  Pássaro da cabeça  

ou ir para o início.

A censura

Auto-censura

Aos dezassete anos

Já era “poeta”

Mas o que escrevia

Nunca ninguém lia

É que nesses tempos

De boa memória *

A censura atuava

E tudo cortava

Mas isso que importa

Se ficava feliz,

Como alguém que ama,

Ao ler o poema

Mas passados dias

Ou horas apenas

O censor chegava

E nada escapava

Eu era o escritor

E o crítico feroz.

Que grande guerra

Havia entre nós.

O pavor do ridículo

Vencia por fim.

Podia lá ser…

Expor-me assim?

João Alberto Roque
(10 de Novembro de 1999)

* Nota… para não haver lugar a confusões: esses tempos de boa memória são os da juventude, em que a (auto)censura atuava.

Depois de no artigo anterior ter apresentado o primeiro texto da fase de redescoberta da poesia, aqui fica o segundo poema e a nota que escrevi na altura a acompanhá-lo.

Na imagem que criei a partir de um manuscrito obtido na rede, recrio um carimbo da censura dos tempos da ditadura, que acabou tinha eu doze anos.

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

Receitada pelo médico    À minha procura   Carta de amor 2  Condeixa 2

ou ir para o início.

IV Festival de Haicai de Petrópolis

new life

Tempo de criar,
tempo de acreditar
que hão de vir os frutos

João Alberto Roque

Voltei a participar no Festival de Haicai de Petrópolis e um dos poemas que enviei foi selecionado para ser publicado na coletânea .

Trata-se de uma forma poética de origem japonesa com apenas três versos e sem rima. Tradicionalmente evidenciam uma ligação à natureza e às estações do ano e apresentam um carácter contemplativo e delicado que aprecio bastante.

 

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

haik  Olho 3.png  Prisma    Prémio Literário Hernâni Cidade  Casa de Espanha

ou ir para o início.

 

Decantação

No primeiro dia de um novo ano letivo, volto a olhar para o meu blogue, de que tenho andado muito ausente, deixando este poema, já com anos, de uma fase em que escrevi vários com base em conceitos científicos. Espero que gostes.

 Decantação1

Decantação

Deixei repousar
As palavras
Agitadas
Misturadas

Soprei a espuma dos dias
Verti com cuidado

No fundo ficou só
Puro
O amor.

João Alberto Roque

Decantação2

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

Origens  Planta de Junco    Nós somos do mundo  Fronteira  Poesia na cidade 2  

ou ir para o início.

Marcha da Gafanha da Nazaré – 2016

Marcha 2016 - Bailarico

Bailarico pelo S. João

Tocando no palco, meio improvisado,
O conjunto estava tão desanimado…
Sentado num canto, eu estava triste,
Depois tu entraste… nem sequer me viste.

E eram os Tochas, eram os Tavares
Eles bem que tocavam, mas até chegares
Não tinha vontade nem para sonhar…
Para me atrever… bastou um olhar.

Neste bailarico, pelo S. João,
Sozinho, eu não fico… Dá­-me a tua mão.
Até acabar, que já pouco resta,
Vem daí dançar, que é dia de festa.

Estou encantado por ser o teu par
Sinto-­me invejado por tanto olhar
E ninguém me ganha, não arredo pé…
Aqui na Gafanha, a da Nazaré.

Sinto-­me nas nuvens, estou enamorado
É tudo mais belo, contigo a meu lado
E sinto cá dentro no meu coração
Que olha por mim o meu S. João.

Tudo é possível num passo de dança
Que o teu sorriso dá­-me confiança
E no bailarico ou no arraial
Acredito nada pode correr mal.

Neste bailarico, pelo S. João […]

E hoje recordo, feliz, o passado,
Aqui a marchar contigo a meu lado,
Pois se hoje vamos dando a nossa mão
Tudo começou pelo S. João.

Nesse bailarico foste o meu par
E foi para a vida. Volto a cantar…
A mesma canção, décadas depois.
Dançar ou viver é melhor a dois.

Mais uma vez calhou-me escrever a letra da Marcha da Gafanha da Nazaré.

O tema foi proposto pela Helena Semião (Lela) e não posso dizer que foi fácil, mas acabei por gostar.

Este ano tive sempre ocupações coincidentes com os horários dos ensaios e a minha contribuição não foi além de escrever a letra. Desejo boa sorte ao grupo para todas as apresentações.

Vídeo de uma das apresentações, neste caso na Gafanha da Nazaré.

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

Marcha 2015  Serenata  moliceiro 2    Nós somos do mundo  O riocorria calmo
ou ir para o início.

Barbárie

Estava a escrever este artigo, originalmente sob o título Origens, quando me surgiu no canto inferior direito do ecrã a informação de que Morreu deputada britânica alvejada e esfaqueada na rua. Li o artigo do Jornal Público e recordei também os inúmeros massacres que têm acontecido, um pouco por todo o mundo, uns muito mediatizados, outros que não passam de notas de rodapé, porque acontecem fora da Europa ou da América do Norte. Foi sobre tudo isto que eu escrevi este poema há cerca de um ano, inspirado em Nelson Mandela. Mudei o título do artigo para Barbárie, mas deixo-vos com o meu poema

Origens

Nascemos predispostos para amar
O coração aberto a alma pura
E, juntos, começámos a aventura…
Porque é que isso havia de mudar?

Porque é que aprendemos a odiar
Se o ódio é em nós contranatura?
Porque é que se instalou esta cultura
Em que já é normal desconfiar?

Voltemos às origens, à pureza
Lembremos onde temos as raízes
Que o amor está na nossa natureza

É chama que se oculta, não se extingue
Temos que reavivar… vencer as crises
Aprender… que é o amor que nos distingue.

João Alberto Roque

Li este poema na biblioteca da Escola Secundária da Gafanha da Nazaré, numa atividade a que demos o nome de “Chá de Letras”,  que nesse dia 10 de Dezembro de 2015 foi dedicado à temática dos Direitos Humanos.

Escrevi este soneto inspirado no texto: 

Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, ou por sua origem, ou sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se elas aprendem a odiar, podem ser ensinadas a amar, pois o amor chega mais naturalmente ao coração humano do que o seu oposto. A bondade humana é uma chama que pode ser oculta, jamais extinta.

Long Walk to Freedom, de Nelson Mandela

Mandela

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

Fronteira  Poesia na cidade 2  Alice Vieira 2  O riocorria calmo  Nós somos do mundo  pais e filhos

ou ir para o início.