No dia Mundial da Criança

No dia Mundial da Criança resolvi voltar à matriz inicial deste blogue e colocar um texto escrito há muitos anos, enquanto a minha filha mais nova brincava num parque infantil, numa zona muito movimentada da cidade. Ainda bem que não tinha uma máquina fotográfica e tive que tirar a “fotografia” num poema.

Instante feliz

Nos teus olhos, minha filha
Nos teus olhos, brilha
Uma felicidade genuína
Que só se tem quando se é
Assim, como tu, pequenina.

Outros meninos e meninas,
Crianças também pequeninas,
Alheios a tudo, brincam.
Dos adultos que passam
Muitos nem sequer olham.

Estando ali atento, vigilante,
Reparei a certo instante
Em algo belo, enternecedor:
Um casal jovem que passava
Parou, a olhar-vos com amor.

Naquele olhar tão puro,
Quantos projetos de futuro.
Pensei eu, que assisti.
Tanta felicidade cativa
E, simplesmente, sorri.

A foto não é aquilo que procurava, até porque as crianças na situação presenciada eram bastante mais pequenas, mas é a possível… e é interessante.

criancas num parque infantil

Imagem colhida em http://www.ebc.com.br/infantil/para-pais/2013/01/dicas-de-atividades-para-fazer-em-casa-com-as-criancas

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

brincar-na-natureza2    A Primavera  O riocorria calmo  Pássaro da cabeça  

ou ir para o início.

As crianças

brincar-na-natureza

As crianças

 

Olhavam para tudo extasiadas.

Puras, em cada rosa, em cada pedra,

viam beleza eterna e absoluta.

Seus olhos primitivos resumiam

a intacta poesia da Manhã.

Sebastião da Gama

in Cabo da Boa Esperança, 1947.

Um poema de Sebastião da Gama, neste Dia Mundial da Criança.

Imagem colhida em http://espacosercrianca.com.br/a-crianca/porque-nao-precisamos-estimular-criancas/

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

Trabalho infantil A Primavera As crianças MV

ou ir para o início.

Poema para o Dia Mundial da Criança

Imagem

AS CRIANÇAS

Sabem mais do que é infindo
E não se perde na noite do sono

Saltam vivas como nuvens que correm
No céu dos sonhos que crescem
Alegres e livres enfim

Nos dias que não trazem medos

E agarram os sóis a duas mãos
Que guardam como segredos

 Hélder Ramos

Este poema, do meu amigo Hélder Ramos, já está publicado neste blogue desde há muito, mas lembrei-me dele, agora que estamos na véspera de mais um Dia Mundial da Criança.

imagem colhida em http://www.loeildelaphotographie.com/fr/2014/03/04/festivals/24364/mumbai-la-fete-de-la-photo
 
 
Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

A Primavera  MV  O riocorria calmo  Pássaro da cabeça    

ou ir para o início.

Dia Mundial da Criança – Poema contra o trabalho infantil

Infância perdida

É tempo de ir à escola

Há tanto para aprender

Deram-te a linha e a cola

Mas não tempo para crescer.

Vês a alegre correria

Meninos na brincadeira

Mas tu passas todo o dia

Sentado nessa cadeira

Sem tempo para o que gostas

Nem momentos de lazer

Não endireitas as costas

Tens trabalho para fazer

O patrão é exigente

Quer os sapatos bem feitos

Para ele tu não és gente

E não tens quaisquer direitos

Não sabes o que são férias

E o pouco que paga à peça

Só agrava as misérias

Por estranho que pareça

Deixa marcas para a vida

Esse ciclo vicioso

A tua infância perdida

É um tempo precioso

 

É tempo de ir à escola

Há tanto para aprender

Deram-te a linha e a cola

Mas não tempo para crescer.

trabalho infantil

Escrevi este texto há anos, uma simples reflexão contra o trabalho infantil.

Hoje, Dia Mundial da Criança, queria publicar algo e fui à procura do que haveria na “gaveta”. Deparei com ele…

Talvez seja bom lembrar, agora que estamos a passar por um período difícil, que não podemos perder as conquistas do passado.

Mas se em Portugal ainda existem casos esporádicos de exploração do trabalho infantil, há países em que a situação é terrível. Vale a pena pensarmos nisso quando estivermos para comprar sapatilhas ou roupas de certas marcas.

Poderás também gostar de ler estas Infantilidades:

A Primavera Receitada pelo médico Prémio Literário Hernâni Cidade

ou ir para o início.